Biometria facial: um aliado ao fator segurança

21 jan | 2 minutos de leitura

ESCRITO POR: Henrique Junior
Empresário, administrador de empresas e especialista em tecnologia, gestão empresarial e finanças


Falo sem medo de errar: segurança é fator primordial nos condomínios. E por quê? Porque a insegurança está arraigada em nossas mentes de tal forma que nos sentimos ameaçados o tempo todo. Desconfiamos de tudo e de todos que não pertencem ao nosso círculo mais íntimo.

Um equipamento que vem somar esforços na área de segurança é o dispositivo de reconhecimento facial, também conhecido como biometria facial. Esta nova tecnologia registra a geometria espacial das características únicas do rosto de cada pessoa em um banco de dados.

Uma pesquisa realizada pelo LastPass no Brasil demonstrou que 78% das pessoas confiam mais na impressão digital ou no reconhecimento facial do que em senhas como método de autenticação.

Tivemos a oportunidade de testar um modelo destes equipamentos e ficamos realmente impressionados com tamanha precisão. Ele consegue detectar, em fração de segundos, se a pessoa está ou não autorizada a acessar o que pretende, mesmo que esteja utilizando máscara.

Embora a circunstância tenha sido outra, mais especificamente o controle de acesso dos funcionários em empresas, vislumbramos seu uso também para situações do dia-a-dia dos condomínios, como portarias autônomas, controle do acesso de funcionários terceirizados, acesso de moradores e visitantes às dependências coletivas. Porém, há outras mais ousadas.   Imagine um morador chegando em casa com as mãos ocupadas, conseguindo abrir o portão e acionar o elevador para levá-lo até o andar correto apenas se posicionando em frente ao dispositivo. Pesquisamos e este recurso já está disponível no mercado.

Outra vantagem do uso desta tecnologia se refere ao momento atual. Em tempos de pandemia, tocar em fechaduras e botões pode representar um risco à saúde. A biometria facial é sem dúvidas um grande diferencial neste caso, uma vez que não há necessidade de contato com nada.

O equipamento pode ainda complementar o uso do interfone ou mesmo da portaria remota que hoje é uma tendência.  Empresas como a Minha Portaria, representada em Juiz de Fora pelo profissional Ramon Silveira, da empresa Gold Soft, presta um serviço de excelência nesta área.

Cada caso é um caso e é preciso estudar a viabilidade da integração deste sistema aos pré existentes em cada condomínio. Contudo, o uso do reconhecimento facial certamente pode ser um grande aliado na luta em favor da segurança dos condôminos.


INDEP completa um ano em Juiz de Fora8, junho 2024

INDEP completa um ano em Juiz de Fora

ESCRITO POR: Sergio Paulo da Silva Sócio da Indep Auditores Independentes, perito contábil, auditor contábil CNAI e membro da Comissão de Contabilidade […]

Leia mais
Transição de síndico: Promovendo a transparência31, maio 2024

Transição de síndico: Promovendo a transparência

ESCRITO POR: Sergio Paulo da Silva Sócio da Indep Auditores Independentes, perito contábil, auditor contábil CNAI e membro da Comissão de Contabilidade […]

Leia mais
Administradora do Futuro: Os 12 mandamentos para se adequar às mudanças18, abril 2024

Administradora do Futuro: Os 12 mandamentos para se adequar às mudanças

ESCRITO POR: Odirley Rocha Especialista em inovação e futuro condominial, formado em Eletrotécnica e Eletrônica, diretor de relacionamento do Porter Group Com […]

Leia mais