Administradora aponta caminhos para combater a inadimplência nos condomínios

04 fev | 5 minutos de leitura
Em última instância, a cobrança judicial pode terminar com a penhora do imóvel que pode ser leiloado para quitar o débito com o condomínio
Carla Zoffoli

A inadimplência é um problema grave que o síndico deve combater de forma rápida antes que ele se torne crônico e provoque o desequilíbrio financeiro no condomínio com suas consequências negativas. Para tratar dos detalhes deste assunto, entrevistamos Carla Zoffoli, sócia da 676 Administradora, com mais de 20 anos de atuação e formação em administração de empresas. Ela respondeu às dúvidas mais frequentes que certamente irão ajudá-lo a encontrar o caminho certo para solucionar o questão no seu condomínio.

Quais as medidas mais indicadas para resolver o problema da inadimplência no condomínio?

É imprescindível ter agilidade na cobrança extra judicial, junto aos condôminos inadimplentes,  propondo até um parcelamento da dívida. Na hipótese do condômino não efetuar o pagamento, o condomínio deverá realizar a cobrança judicial. Não é recomendado incluir na planilha de despesas do condomínio o item “% de inadimplência”, para equilibrar receitas e despesas. Esse recurso costuma ser questionado pelos condôminos adimplentes que não acham justo pagar pelos devedores. Se a inadimplência afeta substancialmente o fluxo de caixa, torna-se necessário marcar uma Assembleia Geral Extraordinária para dar ciência aos condôminos da necessidade da instituição de taxas complementares para a quitação das despesas que não foram pagas, de acordo com a prioridade destas.

Quais os percentuais de multa e juros que podem ser cobrados nas taxas condominiais em atraso?

Segundo o Código Civil, a multa por atraso em pagamento deve ser de 2%. Os juros cobrados devem ser os previstos na Convenção. Caso ela seja omissa, devem respeitar o patamar de 1% ao mês.  Apesar do Código Civil de 2002 no artigo 1336 ter diminuído o teto da multa de 20% para 2%, o mesmo abriu a possibilidade de elevação dos juros, além do patamar de 1% ao mês, se assim a Convenção do condomínio dispuser. Para isso, é necessária a aprovação de 2/3 de todos os condôminos em Assembleia Geral.

Pode-se cobrar correção monetária?

Sim, além de multa e juros, a cobrança judicial inclui também as custas processuais, os honorários advocatícios e a correção monetária sobre o valor do débito total (taxa + juros + multa), se prevista na Convenção do Condomínio.

Com quanto tempo de atraso o condômino passa a ser considerado inadimplente?

No dia seguinte ao do vencimento da taxa de condomínio.

Quando deve ser feita a cobrança judicial e a partir de qual valor?

Após 30 dias de atraso, é feita a cobrança extra judicial. Não logrando êxito, poderá ser feita a cobrança judicial, independente do valor. Mas cada condomínio tem sua particularidade, pois os custos de um processo muitas vezes não compensam o ajuizamento da ação imediatamente, devido ao baixo valor de algumas taxas condominiais.

Em imóveis alugados quem deve ser acionado: o inquilino ou o proprietário?

A cobrança judicial é sempre feita em nome do proprietário atual da unidade visto que a dívida acompanha o imóvel.

Quanto tempo demora, em média, para se concluir um processo judicial de cobrança de dívida de condomínio?

Vai depender dos trâmites legais e recursos impetrados. Em média, dependendo da vara cível, demora 9 meses.

Quem deve arcar com as custas advocatícias do processo de cobrança judicial?

Geralmente, elas são pagas pelo condomínio ao advogado e após o recebimento do débito na justiça, esse valor é ressarcido ao mesmo já que receberá o valor devido, acrescido da multa, juros, correção monetária, honorários advocatícios e as custas processuais.

Quais garantias o condomínio tem de receber as dívidas de condomínio?

Em última instância, a cobrança judicial pode terminar com a penhora do imóvel que pode ser leiloado para quitar o débito com o condomínio.

Em quanto tempo a dívida de condomínio prescreve?

Não há uma jurisprudência, nem súmula vinculante a este respeito. Com relação ao prazo, alguns tribunais consideram que em 5 anos a dívida prescreve.

O síndico pode mandar cortar água ou gás dos devedores ou vetar o uso de áreas comuns como de lazer, piscina e churrasqueira?

Não, o síndico não pode impedir ou dificultar o abastecimento de gás e água para as unidades e também não pode impedir a utilização das áreas comuns aos condôminos inadimplentes. No caso de água e gás, só poderá ser efetuado o corte do abastecimento se as instalações forem individualizadas. Neste caso a concessionária irá procedê-lo.

Pode-se divulgar o nome do condômino que está em atraso no quadro de avisos, no boleto bancário ou no balancete mensal?

Não se deve adotar este expediente, pois a divulgação do nome do condômino inadimplente pode causar constrangimento. No boleto bancário da taxa de condomínio da unidade, pode ser impresso um alerta dos meses que estão em débito e no balancete mensal deve-se anexar a lista de inadimplência, contendo apenas o número da unidade e o valor, sem a descrição do nome.

Inadimplentes podem participar e votar nas assembleias? Podem ser eleitos síndicos?

Em assembleias, quando existe algum condômino inadimplente, deve-se informar diretamente ao mesmo que ele não poderá votar ou ser votado devido a sua inadimplência.

O condômino inadimplente que fez acordo judicial ou extrajudicial pode votar nas assembleias?

Sim. A partir do momento em que fez um acordo, considera-se que não está mais inadimplente e poderá participar,  votar e ser votado na assembleia.

O que fazer quando um condômino se nega a pagar a taxa extra seja por alegação de que não tem condições financeiras ou por não ser afetado pelo problema que motivou a cobrança da taxa?

As taxas extras são instituídas em assembleias, e para serem aprovadas têm que ter a maioria dos votos. O condômino pode votar contra ou não concordar com a instituição desta taxa extra, mas deverá acatar a decisão da maioria. Se for deliberado pela maioria a instituição da taxa, e o mesmo não efetuar o pagamento, ficará inadimplente.

FONTE: Revista O Síndico – Edição 12


A importância de fazer coleta seletiva no condomínio2, dezembro 2021

A importância de fazer coleta seletiva no condomínio

É necessário conscientizar moradores e funcionários sobre a separação dos recicláveis Cada brasileiro produz, em média, 387 kg de lixo por ano, […]

Leia mais
Quais as responsabilidades do condomínio sobre furtos?25, novembro 2021

Quais as responsabilidades do condomínio sobre furtos?

Saiba os direitos e deveres dos moradores e como agir nessa situação Mesmo tomando todos os cuidados com a segurança e tendo […]

Leia mais
Cartão de vacina pode ser exigido para usar áreas de lazer?18, novembro 2021

Cartão de vacina pode ser exigido para usar áreas de lazer?

Debate surgiu devido ao avanço da imunização contra Covid-19 Com o avanço da imunização contra a Covid-19, surgiu a discussão sobre o […]

Leia mais