Presidente do Sinteac esclarece dúvidas sobre a Convenção Coletiva de 2016

16 mar | 4 minutos de leitura
Convenção Coletiva de 2016 e reajuste de salários
Sérgio Felix

Começo de ano é tempo de aumento salarial. A ansiedade pelo reajuste toma conta de todos os trabalhadores e no mundo dos condomínios não é diferente: este ano, em especial, houve um aumento maior do que os Síndicos previam para os porteiros contratados através de conservadoras, o que gerou muita dúvida e discussão. Para esclarecer a questão e alguns outros pontos acerca da Convenção Coletiva de 2016, conversamos com Sérgio Felix, presidente do Sindicato dos Trabalhadores em Empresas de Asseio e Conservação de Juiz de Fora – Sinteac. Confira.

Quantos sindicatos existem em Juiz de Fora relacionados ao trabalho em condomínio? Quais são eles? Quem negocia com quem?

No setor de condomínios, temos quatro sindicatos, dois laborais e dois patronais. Quem representa os interesses dos trabalhadores em conservadoras é o Sinteac – Sindicato dos Trabalhadores em Empresas de Asseio e Conservação de Juiz de Fora. No caso, nós negociamos com o SIEPS – Sindicato das Empresas de Asseio, Conservação, Prestação de Serviços e Mão de Obra Especializada e Não Especializada de Juiz de Fora.  Por outro lado, para os funcionários contratados diretamente pelo condomínio ou administradora, há o SINDEDIF – Sindicato dos Empregados em Edifícios e Empresas de Compra e Venda, Locação, Administração de Imóveis Comerciais e Residenciais de Juiz de Fora, que negocia com o SINDICON – Sindicato dos Condomínios de Juiz de Fora e Zona da Mata Mineira – Patronal.

Sabe-se que o piso salarial de um funcionário de condomínio é diferente do piso de um contratado através de conservadora. No caso dos empregados terceirizados, qual foi o aumento salarial das categorias dos porteiros, vigias, faxineiros, garagistas, zeladores e ascensoristas? 

Faxineiros, garagistas, zeladores e ascensoristas que trabalham através de uma empresa de conservação tiveram um reajuste de 10,5%; já os porteiros e vigias tiveram um aumento diferenciado de 23%.

Explique o porquê  do aumento diferenciado dado aos porteiros de condomínios contratados através de conservadoras.

Isto ocorreu porque foi estabelecida uma meta para, até 2018, equiparar o salário dos porteiros de condomínios ao dos porteiros de empresas que tinham um piso maior. Desta forma, os porteiros de condomínios passam a ter os mesmos direitos.

Houve uma negociação que permitiu diluir o aumento dos porteiros/vigias nos próximos anos. Como então poderá ser repassado aos empregadores?

Há duas possibilidades: ou o empregador concede o aumento total de 23% já este ano ou pode parcelá-lo, reajustando em 13% em 2016, 5% em 2017 e mais 5% em 2018, totalizando os 23% designados. Como muitos condomínios estão sofrendo com a alta inadimplência que se estabeleceu em nosso cenário atual por causa da crise econômica, a maioria tem preferido parcelar a conceder o aumento total este ano.

Isto não traz uma disparidade de valores de salários?

Até 2018, a disparidade existirá, mas cabe ao empregador explicar aos seus funcionários o porquê da diferença para que não haja mal entendido por parte dos empregados que, por ventura, possam vir a comparar seus salários com seus pares de outros condomínios.

Qual foi o aumento para o tíquete alimentação?

Foi concedido um percentual de aumento de 30% para todas as funções, passando o benefício de 10 para 13 reais por dia trabalhado.

Houve alguma outra mudança significativa na Convenção Coletiva dos Trabalhadores em Conservadoras de 2016?

As maiores alterações ficaram mesmo a cargo do aumento substancial do tíquete e da equiparação do salário dos porteiros de condomínios aos de empresas. Outras mudanças foram evitadas para não onerar muito a folha de pagamento e não causar demissões, sendo nossa principal meta neste ano de crise a manutenção do emprego dos profissionais do nosso Sindicato.

A Convenção Coletiva de 2016 já foi homologada pelo Ministério do Trabalho? 

Ainda não, mas falta pouco: estamos apenas dependendo de definir alguns ajustes propostos pelo Sindicato Patronal – SIEPS, mas a Convenção já foi assinada por ambas as partes, o que garante sua validade.

GLOSSÁRIO

Data base: Data em que os sindicatos negociam condições de trabalho, como aumento de salário e de auxílio alimentação, piso salarial da categoria, aumento do valor da hora extra, entre outros.

Convenção Coletiva de Trabalho: É um acordo entre os sindicatos de trabalhadores e empregadores que deve ocorrer uma vez por ano, na data base. Seu objeto são as negociações de reajustes, pisos salariais, benefícios, direitos e deveres de empregadores e trabalhadores. Se os sindicatos estiverem de acordo com as condições estipuladas na negociação, assinam a Convenção Coletiva de Trabalho, e o documento deverá ser registrado e homologado no órgão regional do Ministério do Trabalho (DRT). A Convenção Coletiva entra em vigor três dias após a data de entrega (protocolo) no DRT, conforme determina o parágrafo 1º do art. 614 da Consolidação das Leis do Trabalho (C.L.T.).  

Piso salarial: É o menor salário pago a um trabalhador dentro de uma categoria profissional específica. 

Homologação: Aprovação, ratificação ou confirmação, por autoridade judicial ou administrativa, de certos atos particulares, para se garantir validade jurídica.

Sindicato Laboral: Sindicato representante dos trabalhadores.

Sindicato Patronal: Sindicato representante dos empregadores.

FONTE: Revista O Síndico – Edição 13


A importância de fazer coleta seletiva no condomínio2, dezembro 2021

A importância de fazer coleta seletiva no condomínio

É necessário conscientizar moradores e funcionários sobre a separação dos recicláveis Cada brasileiro produz, em média, 387 kg de lixo por ano, […]

Leia mais
Quais as responsabilidades do condomínio sobre furtos?25, novembro 2021

Quais as responsabilidades do condomínio sobre furtos?

Saiba os direitos e deveres dos moradores e como agir nessa situação Mesmo tomando todos os cuidados com a segurança e tendo […]

Leia mais
Cartão de vacina pode ser exigido para usar áreas de lazer?18, novembro 2021

Cartão de vacina pode ser exigido para usar áreas de lazer?

Debate surgiu devido ao avanço da imunização contra Covid-19 Com o avanço da imunização contra a Covid-19, surgiu a discussão sobre o […]

Leia mais