Sindicomércio-JF celebra Convenção Coletiva dos funcionários da categoria

12 set | 5 minutos de leitura
De acordo com Beloti, CCT norteia direitos e deveres a serem regulados com os colaboradores do setor
Emerson Beloti

Em maio deste ano, o Sindicato do Comércio de Juiz de Fora (Sindicomércio-JF), representando as empresas de compra, venda, locação e administração de imóveis comerciais e residenciais de Juiz de Fora, realizou um marco: negociou e firmou com o sindicato laboral da categoria (Sindedif-JF) a primeira Convenção Coletiva de Trabalho (CCT) para os funcionários das imobiliárias e administradoras de condomínios. Nesta edição da revista “O Síndico”, entrevistamos o presidente do Sindicomércio, Emerson Beloti, que esclarece diferentes pontos de interesse tanto da classe patronal quanto dos funcionários.

É atribuição do Sindicomércio representar a categoria patronal das imobiliárias e administradoras de condomínios?

Toda categoria necessita possuir um sindicato forte, que a represente coletivamente. Caminhando neste sentido é que o Sindicomércio se propõe. Temos uma Convenção Coletiva específica firmada com o sindicato dos trabalhadores em empresas de compra, venda, locação e administração de imóveis (SINDEDIF-JF) que norteia direitos e deveres a serem regulados com os colaboradores do setor.

Qual a data base e salário definidos com a primeira Convenção Coletiva celebrada entre o Sindedif e o Sindicomércio?

A Convenção Coletiva dos trabalhadores foi firmada com data base em maio de cada ano e sua abrangência é a cidade de Juiz de Fora. O piso da categoria ficou estabelecido em R$ 925,00 (novecentos e vinte e cinco reais) para os empregados admitidos após maio de 2016 das empresas MEI, ME e EPP; e de R$ 1.021,00 (um mil e vinte e um reais) para os empregados das demais empresas, também admitidos após o mês de maio de 2016. Isso se deve ao REPIS, que regulou esta condição.

O que é o REPIS?

O REPIS (REGIME DE PISO SALARIAL SIMPLIFICADO) advém do tratamento diferenciado e favorecido às micro e pequenas empresas, em observância aos ditames da Lei Complementar nº 123/2006, que instituiu o Estatuto Nacional da Microempresa e da Empresa de Pequeno Porte. Para as empresas pequenas terem poder de competir no mercado, o piso diferenciado é importante e para praticá-lo é necessário solicitar o certificado de adesão ao REPIS ao Sindicato Patronal da categoria.

Quais os outros pontos relevantes que ficaram previstos na CCT?

  • Instalação do Banco de Horas;
  • Feriados e Domingos;
  • Regime de trabalho no sistema 12×36 horas;
  • Hora-extra de 80%;
  • Homologação de rescisão no Sindicato quando superior a um ano;
  • Abono de falta para levar filho de até 12 anos ao médico – até 02 (duas) vezes por semestre
  • Aleitamento materno, unificação dos períodos de 30 minutos;
  • Dia do empregado, comemorado na segunda-feira de Carnaval, com pagamento em dobro (se trabalhado);
  • Acordos coletivos comunicados ao Sindicomércio JF.

O que motivou a elaboração da primeira CCT da categoria? Porque este fato não aconteceu antes?

Antes, essa categoria obedecia a CCT de prestadores de serviços da cidade, firmada entre o Sindicomércio e a Federação dos Empregados no Comércio de Bens, Serviços e Turismo de Minas Gerais. Esse segmento empresarial é representado pelo Sindicomércio desde 2009. A CCT firmada, este ano, entre o Sindicomércio e o SINDEDIF proporcionou uma convenção específica do segmento.

O que é a Contribuição Negocial Convencional Patronal?

A Contribuição Negocial Patronal é uma contribuição obrigatória por toda categoria econômica em razão da CCT firmada. Essa contribuição tem natureza contratual, visto que a mesma foi aprovada em Assembleia da Categoria na data previamente informada em edital publicado no maior jornal com circulação em Juiz de Fora. Essa contribuição é para a manutenção, estabilidade e prestação de serviços do Sindicato.

Quem deve pagar essa Contribuição?

Somente as empresas que têm CNAE (Classificação Nacional de Atividades Econômicas) ligado ao Sindicomércio? O Sindicomércio possui uma cartilha de todos os CNAES (Classificação Nacional de Atividades Econômicas) representados entregue aos contadores cadastrados. As empresas que também desejarem podem solicitar a referida cartilha no sindicato patronal.

Se o CNAE apenas constar como atividade secundária, a empresa também é obrigada a contribuir?

Em nosso entendimento sim. A empresa, quando se estabelece, elenca no objeto do contrato social, com sua contabilidade, todas as atividades a serem desenvolvidas. A partir desse momento deveria ser atribuído a cada atividade um determinado valor de seu capital social conforme a importância de cada uma. No entanto, o que mais se verifica é que todo o capital social vai para a atividade principal. Então, se não atribui nenhum valor a cada atividade secundária elencada, conforme a importância no faturamento, por que informá-las? Se as atividades secundárias não possuem peso algum no faturamento não deveriam nem constar no objeto da empresa em seu contrato social. O pior para a empresa é que quando se coloca diversas atividades nas secundárias, o que acaba enquadrando a mesma em diversos sindicatos patronais, gerando uma série de desconfortos de recebimentos de guias dos sindicatos. Por isso, a necessidade de conhecimento de enquadramento sindical.

Como é definido o valor da Contribuição e quando vence?

A Contribuição Negocial Patronal é anual e seus valores são definidos em assembleia patronal à época das negociações da CCT. Seu vencimento é no dia 31/7 de cada ano.

Além da negociação salarial, quais outras funções tem o Sindicomércio em relação ao setor de administração de condomínios?

O Sindicomércio está elaborando uma câmara setorial com um diretor de uma empresa associada desse segmento. Assim, definiremos melhor as carências deste setor econômico e outros produtos e serviços a serem agregados aos já existentes voltados para os empresários, dependentes e empregados desta categoria. Além disto, teremos diversas palestras e cursos.

FONTE: Revista O Síndico – Edição 16


Zona Norte de Juiz de Fora ganha uma administradora10, maio 2022

Zona Norte de Juiz de Fora ganha uma administradora

Assessoria Condominial Moinho volta seu foco para região em expansão Uma empresa criada com o objetivo de proporcionar atendimento personalizado e de […]

Leia mais
CRA-MG cria Grupo Temático de gestão de condomínios3, maio 2022

CRA-MG cria Grupo Temático de gestão de condomínios

Na última edição de “O Síndico em Revista”, você ficou sabendo sobre o importante papel exercido pela Conselho Regional de Administração de […]

Leia mais
Governo federal sanciona lei que permite assembleias virtuais nos condomínios28, abril 2022

Governo federal sanciona lei que permite assembleias virtuais nos condomínios

A Lei n° 14.309/22 ainda estabelece a possibilidade de ser instaurada sessão permanente A pandemia acelerou o uso da tecnologia em diversos […]

Leia mais