Brasil é o 5º país do mundo com maior número de “edifícios verdes” certificados

10 jun | 3 minutos de leitura
Certificados de práticas sustentáveis para edifícios estão cada vez mais comuns no setor da construção civil

A preocupação com práticas sustentáveis que preservem o ecossistema e aproveitem os recursos naturais de forma consciente está, a cada dia que passa, tornando-se uma realidade mais concreta no setor da construção civil brasileiro – e os números podem provar isso.

Dados de 2020 divulgados pelo USGBC (United States Green Building), criador do sistema LEED (Liderança em Energia e Design Ambiental, em português) de classificação de “edifícios verdes”, mostram que o Brasil ocupa a 5ª posição entre 180 países no ranking mundial de sustentabilidade. Atualmente, são mais de 1.500 construções sustentáveis no país – 641 já registradas e 50 milhões de metros quadrados ainda em busca da Certificação GBC Brasil Condomínio®.

O certificado foi desenvolvido pelo Green Building Council Brasil com a intenção de fornecer as ferramentas necessárias para projetar, construir e operar condomínios residenciais que possuam alto desempenho e práticas sustentáveis. Ele é dividido nas categorias Verde, Prata, Ouro e Platina, e avalia o impacto ambiental dos edifícios, tanto na sua construção quanto no seu uso. Entre os critérios analisados, estão o uso eficiente de água e energia, a qualidade ambiental interna e o descarte do lixo, por exemplo.

Segundo Raul Penteado, presidente do Green Building Council Brasil, o valor total de vendas nos edifícios registrados ou certificados pela GBC Casa&Condomínio somava R$ 4 bilhões em 2020. “Esses empreendimentos aliam desenvolvimento econômico à redução média de 25% em energia, 40% a 60% em água, desviam mais de 80% dos resíduos de aterros sanitários e impactam positivamente a saúde e o bem-estar das pessoas”, afirma o executivo.

Ao que tudo indica, o futuro das construções sustentáveis é muito promissor e nada distante da realidade atual. É o que acredita João Vitor Gallo, sócio da Petinelli Consultoria e Engenharia, empresa especializada em Green Building e a primeira do mundo com o selo LEED Zero da USGBC. “Estamos numa era onde os recursos naturais estão cada vez mais escassos e a demanda por energia só cresce, contribuindo para o aumento do custo ao usuário final. Nesse cenário, construir melhor, gastando menos recursos, economizando dinheiro do usuário e trazendo um espaço mais saudável é um caminho sem volta”, explica.

Para Gallo, os certificados ambientais de prédios estão se tornando um padrão de mercado cada vez mais forte: “Assim como os selos que encontramos em equipamentos eletroeletrônicos, a certificação de edifícios sustentáveis torna-se, cada vez mais, um requisito obrigatório para o comprador”, acrescenta.

Para o executivo, Curitiba é uma cidade que há muito tempo se destaca na questão da sustentabilidade no Brasil – e o mercado local adotou a certificação como padrão de referência. “Essa vanguarda é comprovada pelo pioneirismo em várias áreas, como a coleta seletiva de lixo e a implantação de áreas verdes que recebem a drenagem de chuva da cidade. Quando analisamos a área construída de novos edifícios, em comparação a São Paulo e Rio de Janeiro, a capital paranaense tem, proporcionalmente, mais metros quadrados certificados do que as outras grandes cidades do Brasil”, afirma.

A incorporadora paranaense GT Building é um exemplo de uma empresa na cidade que já adota conceitos internacionais de sustentabilidade em boa parte de seus empreendimentos. “A GT trabalha com extrema preocupação com a eficiência energética, uso racional da água, segurança e saúde de seus operários, pontos de carregamento de carros elétricos, tratamento de ruídos, utilização de materiais de fornecedores certificados, além dos estudos de viabilidade e cuidados com a vizinhança e com o bairro”, afirma João Thomé, diretor da empresa.

Entre os sistemas sustentáveis nos empreendimentos da incorporadora estão um bosque vertical, construído com materiais recicláveis, placas solares que atendem até 20% do consumo das áreas comuns, sistema de ventilação das garagens controlado pela leitura de CO2, utilização de água pluvial, sistema de irrigação eficiente com sensor de umidade e utilização de materiais certificados de acordo com a ISO 14024 (Selo Verde).

FONTE: Forbes


Visitante pode usar vaga de garagem?4, dezembro 2021

Visitante pode usar vaga de garagem?

Muitos condôminos possuem mais de uma vaga de garagem, por isso, quando fazem alguma confraternização, ou recebem uma visita, disponibilizam uma das […]

Leia mais
O que o síndico não pode fazer? Veja 7 práticas proibidas no condomínio3, dezembro 2021

O que o síndico não pode fazer? Veja 7 práticas proibidas no condomínio

O síndico é uma figura importante para um condomínio. Suas responsabilidades com as questões fiscais e problemas de relacionamento entre os moradores fazem com que ele […]

Leia mais
A importância de fazer coleta seletiva no condomínio2, dezembro 2021

A importância de fazer coleta seletiva no condomínio

É necessário conscientizar moradores e funcionários sobre a separação dos recicláveis Cada brasileiro produz, em média, 387 kg de lixo por ano, […]

Leia mais