Condomínios do Rio podem exigir prova de vacinação

14 set | 2 minutos de leitura
Condomínios do Rio poderão exigir dos moradores e visitantes o passaporte de vacinação para acesso a áreas comuns não essenciais

A partir do dia 15 de setembro, os condomínios do município do Rio de Janeiro também poderão exigir dos moradores e visitantes o passaporte de vacinação para acesso a áreas comuns não essenciais, como piscina e academia, por exemplo. De acordo com o advogado especializado em Direito Imobiliário André Luiz Junqueira, do escritório Coelho, Junqueira e Roque Advogados, a medida pode ser adotada por qualquer condomínio, não só os localizados na cidade do Rio.

“Os condomínios podem exigir prova de vacinação para acesso a áreas comuns não essenciais, mas é recomendado que tal exigência seja aprovada em assembleia por maioria dos presentes. Não haverá necessidade de assembleia se na localidade vigorar norma do Poder Público exigindo tal dever, como é o caso do Decreto nº 49.335 de 26/08/2021, da cidade do Rio de Janeiro, que determina a comprovação da vacinação para entrada em alguns estabelecimentos de uso coletivo”, explica Junqueira.

O advogado também ressalta que o Decreto prolonga, até o dia 20, a vigência de outras medidas emergenciais, de caráter excepcional e temporário, destinadas ao enfrentamento da pandemia de COVID-19, mas com algumas alterações, que também afetam os condomínios.

“A partir de agora, a critério de cada condomínio, todas as áreas comuns podem ser abertas e colocadas em funcionamento, desde que com prudência e segurança, respeitando a Resolução Conjunta SES/SMS Nº 871 DE 12/01/2021 e Decreto Nº 49.378, no que for aplicável”, diz Junqueira.

De acordo com ele, para a realização de obras, continuam as regras previstas na Lei Estadual 8808/2020 e no direito coletivo. E para a realização de assembleias, continua a autorização/recomendação da forma tele presencial, prevista na Lei Estadual 8836/2020 e na melhor interpretação do Direito, mas assembleias físicas não estão proibidas.

Ele destaca ainda que todos os cuidados de higiene usuais devem continuar sendo exigidos (máscaras, distanciamento, etc.), bem como regras complementares, de acordo com cada condomínio.

“A infração a qualquer norma do condomínio ou do poder público relativa à saúde está sujeita a medidas administrativas, cíveis e criminais, conforme as circunstâncias”, completa.

FONTE: Diário do Rio


Câmeras de segurança precisam de manutenção26, outubro 2021

Câmeras de segurança precisam de manutenção

Ao entrar em um ambiente, é comum que as pessoas fiquem mais tranquilas ao perceber que há câmeras e alarmes instalados. No […]

Leia mais
Condomínio utiliza água da chuva para molhar jardim e limpar áreas comuns25, outubro 2021

Condomínio utiliza água da chuva para molhar jardim e limpar áreas comuns

Na pior crise hídrica dos últimos 90 anos, os moradores de Sorocaba (SP) estão fazendo de tudo para economizar água. Em um condomínio […]

Leia mais
DF: Morador é condenado a pagar multa por não usar máscara em condomínio23, outubro 2021

DF: Morador é condenado a pagar multa por não usar máscara em condomínio

Um morador do Distrito Federal foi condenado a pagar multa de R$ 448 por não utilizar a máscara de proteção contra a Covid-19 nas […]

Leia mais