Projeto antincêndio é vital para segurança dos condomínios

21 ago | 9 minutos de leitura
Para obter o AVCB, o primeiro passo é contratar um engenheiro para elaborar o Projeto de Prevenção e Combate a Incêndio e Pânico (PPCIP)

Saiba como emitir ou renovar o certificado e ficar em dia com a lei


Entre as obrigações que o condomínio precisa cumprir para funcionar corretamente está a obtenção do Auto de Vistoria do Corpo de Bombeiros (AVCB). O documento é a garantia de que o local segue todos os critérios de segurança e prevenção contra incêndio. Os síndicos e administradoras devem ficar atentos, visto que a edificação que não possui certificado, ou o mesmo está vencido, pode receber uma advertência, aplicação de multa e até mesmo sofrer interdição do prédio.

Em Minas Gerais, o Decreto 47.998/20 regulamenta a Lei 14.130/01, que trata sobre a prevenção contra incêndio e pânico no estado. De acordo com dados do 4º Batalhão de Bombeiros Militar (4º BBM) de Juiz de Fora, de janeiro a junho deste ano, foram realizadas 683 vistorias em imóveis da cidade. Deste total, 476 foram para aplicação de sanções por não estarem em conformidade com as normas e 207 para emissão do AVCB.

Segundo explica o comandante da Companhia de Prevenção e Vistoria do 4º BBM, capitão George Sant’Ana, “o AVCB é um documento emitido com a finalidade de comprovar que o condomínio tem condições adequadas e seguras para abandono em casos de incêndio, bem como os equipamentos para combatê-lo e vias de acesso fácil aos membros do Corpo de Bombeiros (CB)”.

A engenheira Cynthia Mendes Gerrhim ressalta que sinalização e iluminação de emergência são pontos avaliados em um PPCIP

Ele esclarece ainda que todos os espaços destinados ao uso coletivo, sejam residências multifamiliares, indústrias e comércios, precisam emitir o AVCB. “Somente estão isentos da obrigação de ter o documento, locais residenciais que possuem apenas uma moradia. As edificações com área de até 200m² também estão dispensadas, cabendo ao proprietário ou responsável pelo local a execução das medidas de segurança contra incêndio e pânico”.

Etapas para emissão do AVCB

Para obter o AVCB, o primeiro passo é contratar um engenheiro para elaborar o Projeto de Prevenção e Combate a Incêndio e Pânico (PPCIP). “O profissional vai até o local para verificar as necessidades, monta o projeto e encaminha para análise do Corpo de Bombeiros. Sendo aprovado, o responsável pela edificação providencia as adequações do local conforme descrito no referido projeto. Caso contrário, será necessário fazer as correções para que seja aceito”, diz o capitão George Sant’Ana, lembrando que o engenheiro deve estar cadastrado junto ao CB.

Após realizadas as obras no condomínio, o Corpo de Bombeiros é chamado e faz uma vistoria na edificação. “Se tudo estiver de acordo e executado corretamente seguindo o PPCIP, o certificado é emitido. Se tiver alguma pendência, será preciso acertar os detalhes e solicitar uma nova inspeção”.

“É importante lembrar que o AVCB continua sendo exigido mesmo durante a pandemia”

A engenheira Cynthia Mendes Gerrhim, proprietária da Gerrhim Engenharia, explica que o Projeto Técnico Simplificado (PTS) é para edificações ou espaços destinados ao uso coletivo com área de até 930m². “Acima desta quantidade, se enquadra na categoria de Projeto Técnico (PT). Geralmente, o prazo para elaboração de um projeto é de cerca de 30 dias. O custo apenas com o engenheiro responsável gira em torno de R$ 4 mil para PT e R$ 3 mil para PTS”.

Ela diz que quando o síndico entra em contato, a primeira coisa que solicita é o endereço da edificação e o CNPJ. “Com esses dados, consigo fazer uma busca na página do Corpo de Bombeiros para verificar se já existe algum projeto e se o mesmo está atualizado e dentro da validade. É importante lembrar que o AVCB continua sendo exigido mesmo durante a pandemia”.

Cynthia ressalta os pontos avaliados em um PPCIP. “A sinalização e iluminação de emergência, bem como extintores são os principais. Entre outras falhas observadas estão guarda-corpo com altura incorreta, falta de corrimão ou o mesmo está instalado de forma inadequada, degraus de escada sem condições antiderrapante. Dependendo da ocupação e a área da edificação, também é necessário hidrante, alarme e detector de incêndio”.

O AVCB é um documento obrigatório. O síndico deve procurar uma empresa ou engenheiro especializado e fazer pelo menos três orçamentos para a elaboração do plano antincêndio. Os trâmites para a obtenção do certificado geram gastos altos, principalmente na etapa de providenciar as obras no condomínio para receber a vistoria do Corpo de Bombeiros. É preciso submeter à assembleia convocada para esse fim, sendo que o quórum de aprovação é de maioria simples dos presentes, já que se trata de uma obra necessária.

Custos e prazos

O prazo para emissão do documento é variável, conforme o grau de risco e a complexidade do projeto apresentado. “Normalmente, o tempo máximo para análise do PPCI é de 30 dias corridos, contados a partir da data da efetivação do pedido. Sendo aprovado, o setor responsável tem 10 dias úteis para ir até o local executar a vistoria de liberação”, afirma o capitão George Sant’Ana.

As taxas cobradas para análise e vistoria também oscilam, conforme a área total da edificação e o tipo de sistema preventivo que é usado. De acordo com a legislação tributária vigente, o preço cobrado, por meio da Taxa de Segurança Pública (TSP), pelos serviços prestados pelo Corpo de Bombeiros Militar é definido com base na Unidade Fiscal do Estado de Minas Gerais (UFEMG), cujo valor estabelecido para o exercício de 2021 é de R$ 3,9440 (três reais, nove mil quatrocentos e quarenta décimos de milésimos).

O valor mínimo a ser pago pelo serviço de análise de projeto é de 15 UFEMG (R$ 59,16), que gera direito a uma segunda verificação para os casos de falhas na elaboração. Já o valor mínimo a ser pago para vistoria para fins de emissão de AVCB é de 53 UFEMG (R$ 209,03), com direito a apenas uma vistoria. Caso sejam constatados problemas, deverá ser paga nova taxa, proporcional à área onde foi verificada a irregularidade.

TAXA DE ANÁLISE DO PPCIP E TAXA DE VISTORIAEXEMPLOS DE CÁLCULO
EXTINTORES: 0,07 x área total x UFEMG

HIDRANTES: 0,10 x área total x UFEMG

SISTEMA ESPECIAL: (Ex.: chuveiro automático): 0,12 x área total x UFEMG
• Edificação com 800 m² (exigência de extintor): 800 x 0,07 x 3,9440 = R$ 220,86

• Edificação com 1.500 m² (exigência de hidrante e extintor): 1.500 x 0,10 x 3,9440 = R$ 591,60

• Edificação com 2.000 m² (exigência de sistema especial - chuveiro automático): 2.000 x 0,12 x 3,9440 = R$ 946,56

Riscos da falta do AVCB

A ausência do AVCB ou o mesmo estar vencido pode gerar sanções ao condomínio. Segundo o capitão George Sant’Ana, o Decreto 47.998/20 estabeleceu a validade de 5 anos para o certificado. “A primeira penalidade é uma advertência escrita. Persistindo a conduta infracional, será aplicada multa, cujo valor varia conforme a área da edificação. Se em 30 dias não for regularizado, nova multa será aplicada com valor em dobro da primeira. Os próximos passos são a cassação do AVCB e a interdição do prédio”.

No caso de acontecer algum sinistro, o responsável por não providenciar a regularização do edifício pode ser responsabilizado judicialmente. “Além disso, pode dificultar para receber o seguro caso o contrato exija um AVCB válido”, alerta o capitão George Sant’Ana.

MULTAS PREVISTAS  
• Área igual ou inferior 200m²150 UFEMGR$ 591,60
• Área acima de 200m² e igual ou inferior a 930m²400 UFEMGR$ 1.577,60
• Área acima de 930m² e igual ou inferior a 1.500m²950 UFEMGR$ 3.746,80
• Área acima de 1.500m² e igual ou inferior a 5.000m²1.600 UFEMGR$ 6.310,40
• Área superior a 5.000m² ou edificação classificada como F-6 ou F-72.400 UFEMGR$ 9.465,60

Cynthia aconselha que os síndicos fiquem atentos e não deixem o documento vencer, visto que a renovação é mais fácil de ser obtida quando feita dentro da validade. “O ideal é que 3 meses antes do vencimento, um engenheiro seja contratado para executar os procedimentos. Esse profissional vistoria a edificação, faz um laudo e dá entrada do pedido de renovação junto ao Corpo de Bombeiros. Se tudo estiver em conformidade, um novo AVCB é emitido com validade de 5 anos”, conclui.

A responsabilidade pela fiscalização relacionada ao certificado é do Corpo de Bombeiros. Irregularidades podem ser comunicadas diretamente pelo telefone (32) 3231-2739, bem como pessoalmente na Companhia de Prevenção e Vistoria do 4º BBM, que funciona na Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF). Há ainda a opção de denunciar de forma anônima por meio do número 181.

Em dia com o AVCB

A síndica do Residencial Palazzo Catedral, Ana Paula Backx, entende a importância de deixar o prédio adequado às determinações do Corpo de Bombeiros para zelar pela segurança de todos no condomínio no caso de uma emergência. “O AVCB é um documento obrigatório e garante que a edificação está com toda estrutura adequada a um possível combate de incêndio. Estamos na etapa de adequação do prédio conforme descrito no projeto antincêndio elaborado pelo engenheiro”.

Ela afirma que o Corpo de Bombeiros é bastante minucioso para a emissão do certificado. “Entre as observações feitas durante a inspeção está, por exemplo, a colocação de uma placa de indicação de escada que está a alguns centímetros abaixo da altura adequada”.

“O AVCB é um documento obrigatório e garante que a edificação está com toda estrutura adequada a um possível combate de incêndio”

Ainda conforme Ana Paula, uma equipe aponta as falhas, explica o motivo da mudança e orienta a execução. “São coisas que somente um engenheiro especializado na área e o próprio Corpo de Bombeiros têm condições de detectar. No dia a dia não percebemos a importância delas e sua real necessidade. O incêndio acontece rápido e é um momento de muito pânico e correria. É imprescindível que os prédios estejam com tudo preparado. Para isso, procurem se informar e sigam todas as orientações com relação à segurança, preparo e eficiência do material disponibilizado no prédio, como bombas d’água, mangueiras e área de evacuação/movimentação”, diz.

A síndica relata algumas verificações realizadas. “A porta corta fogo precisa fechar totalmente e não ficar apenas encostada; os encanamentos possuem cores diferentes para facilitar a identificação e uso; haver aplicação de tinta antichamas em locais em que há madeira; observar mangueiras e ferramentas de hidrante; realizar testes de estanqueidade para verificar se o gás está vedado; não haver obstáculos em passagens; ter uma central de alarme de incêndio visível para facilitar e pontuar problemas”.

Foi realizado o teste da sirene do alarme de incêndio. “Para tal, os condôminos foram avisados da data e horário do acontecimento. “É para eles não se preocuparem ou se assustarem com o barulho. Também foi uma forma de conhecer o processo em caso de uma emergência”, finaliza.

FONTE: Equipe SíndicoJF


Visitante pode usar vaga de garagem?4, dezembro 2021

Visitante pode usar vaga de garagem?

Muitos condôminos possuem mais de uma vaga de garagem, por isso, quando fazem alguma confraternização, ou recebem uma visita, disponibilizam uma das […]

Leia mais
O que o síndico não pode fazer? Veja 7 práticas proibidas no condomínio3, dezembro 2021

O que o síndico não pode fazer? Veja 7 práticas proibidas no condomínio

O síndico é uma figura importante para um condomínio. Suas responsabilidades com as questões fiscais e problemas de relacionamento entre os moradores fazem com que ele […]

Leia mais
A importância de fazer coleta seletiva no condomínio2, dezembro 2021

A importância de fazer coleta seletiva no condomínio

É necessário conscientizar moradores e funcionários sobre a separação dos recicláveis Cada brasileiro produz, em média, 387 kg de lixo por ano, […]

Leia mais