Práticas antirracistas para aplicar no seu condomínio

21 nov | 3 minutos de leitura
Confira algumas orientações, que estimulem o respeito entre a comunidade e podem melhorar a convivência

20 de novembro é o Dia da Consciência Negra. A data foi criada em homenagem à Zumbi dos Palmares, líder do movimento Quilombo dos Palmares, morto em 1695 e símbolo da luta dos negros contra a escravidão. Nesse contexto, é indispensável debater sobre racismo e a forma com que ele pode ocorrer em todas as nossas relações, e não obstante, nos condomínios.

Nesta matéria, procuramos estimular a reflexão sobre o tema dentro dos condomínios para mudar a realidade, conscientizando e melhorando a convivência entre os moradores, com uma cartilha de dicas antirracistas. Vamos lá?

O que é racismo?

Do dicionário, racismo é a postura de desprezo e/ou discriminação em relação a determinados grupos, etnia, cultura, etc, diferentes.

Racismo é crime e está previsto na Lei 7.716/89, que diz:

“Art. 1º Serão punidos, na forma desta Lei, os crimes resultantes de discriminação ou preconceito de raça, cor, etnia, religião ou procedência nacional.”

O Código Penal, em seu artigo 140,  parágrafo 3º, ainda trata da Injúria Racial:

Art. 140 – Injuriar alguém, ofendendo-lhe a dignidade ou o decoro     […]  § 3o Se a injúria consiste na utilização de elementos referentes a raça, cor, etnia, religião, origem ou a condição de pessoa idosa ou portadora de deficiência. […]

Sancionado em janeiro de 2023, o PL 4.373/2020, do Senador Paulo Paim (PT-RS), tipifica injúria racial como crime de racismo. Dessa forma, a pena também foi equiparada, passando a ser de dois a cinco anos de prisão.

O que é racismo estrutural?

Termo usado para definir que as sociedades são estruturadas com base na discriminação, privilegiando algumas raças em detrimento de outras.
O racismo estrutural, como definiu o advogado e filósofo Silvio Almeida no livro homônimo, é um fato que acontece em todo o Brasil. Os condomínios, então, não ficam de fora dessa realidade.

Panorama do racismo estrutural no Brasil

  • Negros, muitas vezes, são confundidos com copeiros, faxineiros ou até prostitutas – não se deve questionar a dignidade dessas profissões, mas buscar entender o porquê da redução a um estereótipo;
  • Segundo dados do IBGE, mais da metade da população do Brasil é negra;
  • Apenas 17% dos negros se enquadram nas definições do IBGE de ricos;
  • Mais da metade da população miserável é de negros ou pardos;
  • Segundo estudo da Infopen em 2018, a maioria da população carcerária é preta ou parda: cerca de 61,7%;
  • Um levantamento de 2020 do site de emprego Vagas.com mostrou que a maior parte dos negros (47,6%) ocupam cargos operacionais e técnicos (11,4%). Uma minoria ocupa cargos de liderança (0,7%). A informação é do G1.

Combate ao racismo

  • Procure pesquisar sobre o racismo com base na história do Brasil
  • Fale sobre racismo com amigos, familiares e vizinhos
  • Reflita sobre o racismo para combatê-lo: “Você se considera racista? Sim ou não? Por quê?”
  • Escute e tenha empatia entendendo a condição do outro;
  • Questione-se do porquê existem poucos negros em lugares de poder no país;
  • Tenha atitudes antirracistas: brancos devem criar espaço onde pessoas negras não costumam acessar.

Evite termos

  • Mulato (a): Refere-se à mula, um animal que nasce do cruzamento entre jumento e égua. Os filhos das escravas negras abusadas pelos patrões brancos eram chamados assim;
  • Denegrir: Em diversos dicionários brasileiros, a definição é “tornar negro, escurecer”;
  • Criado-mudo: Escravos cumpriam o papel de “segurar as coisas” para os senhores brancos e não podiam fazer qualquer barulho;
  • “Meia tigela”: Quando os escravos não alcançavam suas metas, recebiam apenas metade do prato de comida;
  • “A coisa tá preta”, “Mercado negro”, “magia negra”, “lista negra” e “ovelha negra” – estão entre outras expressões em que a palavra ‘negro’ representa algo ruim, pejorativo, prejudicial ou ilegal.

Transforme o ambiente condominial

  • Lembre-se: pessoas negras são diferentes entre si;
  • Se contratar funcionários negros para trabalharem em suas casas, tente ajudar na educação deles e de seus filhos: compre livros ou pague cursos;
  • No condomínio, por exemplo, pense quem são as pessoas que ocupam as profissões de mais baixa renda, como porteiro, faxineira ou zelador, e questione-se do porquê elas estão naquelas posições;
  • Para síndicos: conscientize os moradores, com cartazes informativos ou mesmo palestras com ONGs especializadas no tema;
  • Seja respeitoso.

Como denunciar casos de racismo e injúria racial

  • Disque 190
  • Disque Direitos Humanos (Governo Federal) – Disque 100

FONTE: Sindiconet


Confira a 57ª edição da revista O Síndico26, maio 2024

Confira a 57ª edição da revista O Síndico

  A primeira revista O Síndico do ano de 2024, edição especial, que circula no período de Janeiro a Maio, acaba de […]

Leia mais
Confira a galeria de fotos da Jornada Condominial em Juiz de Fora8, março 2024

Confira a galeria de fotos da Jornada Condominial em Juiz de Fora

Juiz de Fora foi escolhida para sediar o primeiro evento da Jornada Condominial 2024 do Group Porter. Tendo como proposta oferecer a […]

Leia mais
Dengue: veja quais os sintomas da doença, cuidados e como evitar5, março 2024

Dengue: veja quais os sintomas da doença, cuidados e como evitar

O Brasil vive uma explosão de casos de dengue neste começo de 2024. Até 30 de janeiro, o Ministério da Saúde registrou 217.481 casos. […]

Leia mais